14.10.05

Resumo da reunião (parte 2 - o projeto)


Quatro espécies diferentes do réptil Uroborus foram identificadas:

a) Uroborus Primavera é um uroborus de 78 horas, com um ciclo por hora, que costuma ressuscitar perto do equinócio de primavera (considerando o hemisfério sul) e materializa as falas de 78 autores vivos e mortos, em 156 atores.

b) Uroborus Outono é um uroborus menor, de 78 minutos, com um ciclo único e que nas vozes de 78 (ou 156) atores simultaneamente em cena ressuscita palavras ditas por 78 autores, entre mortos e vivos.

c) As espécies Uroborus Verão e Uroborus Inverno são parentes próximos. Bem maiores que as espécies que surgem nos equinócios, essas espécies de Uroborus materializam-se próximo do solstício de verão e inverno, respectivamente, e duram por quase seis meses. São os maiores desafios. Se funcionar, muda a história do teatro no mundo.

O desenho ilustra a morte e renascimentos das diferentes espécies de Uroborus ao longo do calendário solar. Clique no desenho para ampliar.

Uroborus dos Solstícios

O Sérgio Sálvia Coelho sonhou com o Uroborus e acordou no meio da noite com essa idéia. Não tinha ninguém por perto para dizer a ele que era impossível, e na reunião só apareceram pessoas que achavam que daria certo.

Todos os dias, por 180 dias, a partir do solstício de verão (21 de desembro) haverá uma apresentação de uma peça de 3 horas de duração (180 minutos), em algum lugar (de São Paulo, do Brasil, do Mundo).

Tem que haver uma apresentação todos os dias em algum lugar diferente para que a cobra não solte o rabo (da mesma forma que no Uroborus primavera, pessoas esperavam em listas para substituir um grupo, o Uroborus Verão só vai funcionar se houver suficientes pessoas não só dispostas a participar, mas a fazer o possível e o impossível para não deixar a cobra soltar o rabo.) Como garantir que a cobra não soltará o próprio rabo? Juntando 5 atores para fazer a apresentação em algum lugar (praça, teatro, escola) e registrá-la no site. Pode ser qualquer grupo de qualquer lugar do mundo. E tem que ser bom, pois dura... 180 minutos (não sei se precisaria durar o tempo inteiro, como no Uroborus primavera, já que a continuidade é só no dia seguinte)!

A peça possui 180 trechos de obras de 180 dramaturgos dos 5 continentes (proporcional à produção dramatúrgica de cada continente) e deve ser encenada por 5 atores, em 5 atos.

A diferença entre o Uroborus verão e o Uroborus inverno é que um representa o dia, e o outro representa a noite. Um representa a fertilidade (Deméter) e o outro a hibernação (Hades). O verão tem autores vivos. No inverno apenas vozes de autores mortos são ouvidas. Quando o verão termina, tem o outono, e depois, começa o ciclo do inverno, até renascer na primavera.

Multiplique 180 por 5 e veja quantos atores serão necessários... É loucura? Se for coordenado de forma centralizada por meia dúzia de voluntários certamente que é. Se conseguirmos evangelizar, seduzir, entusiasmar grupos e pessoas para dividir a paternidade do projeto, descentralizar, distribuir responsabilidades, eu acho que pode acontecer. E se acontecer, e virar notícia, ela não morre mais.

Está aberta a discussão... Precisamos de mais sonhadores (para incentivar os sonhadores que estão caindo na real) e pragmáticos (para apontar as coisas impossíveis, difíceis, caras e mostrar caminhos alternativos.) Talvez não funcione da forma planejada, talvez falhe, talvez não dê para começar com o verão, talvez o verão comece com furos... Vale a pena fazer isto? Agora? Sim? Não? Tem gente suficiente? Disposta? Mesmo? Contribuam com idéias, critiquem, apresentem soluções.

5 Comments:

Blogger Vanessa Morelli said...

Ficou belíssimo o desenho do Projeto Uroborus. Um grande beijo. Va Morelli. (agora vamos fazer este Uroborus verão dar certo)

Ainda não fui atrás de nada esta semana pq fiquei dodói, mas vamos correr...

15/10/05 10:12  
Blogger Helder da Rocha said...

Será que vai dar tempo para o verão? Tem que ter mais gente que leve isso a sério. Pelo menos algumas reações. Está tudo muito parado.

15/10/05 10:43  
Blogger Sérgio Coelho said...

Acho que antes de convocar atores, devemos convocar pesquisadores e dramaturgos para levantar o material. Vou esta semana atrás no orkut, propondo que venham para cá.

16/10/05 14:06  
Blogger Helder da Rocha said...

Eu concordo. O texto é algo mais fácil de visualizar. Pode-se adaptar as idéias de montagem à realidade mais facilmente tendo um texto.

Quanto à questão da proporcionalidade, eu acho que não precisamos exagerar. Proponho que busquemos um número de dramaturgos por continente seja proporcional à produção dramaturgica relevante do lugar. Isso é um critério muito abstrato (talvez impossível de medir), e será mais justo quanto melhor for a pesquisa. As outras alternativas (por igual: 36 das américas, 36 da oceania, por população: europa x asia) sao bem menos justas.

Se nao houver a pressão de estrear o Uroborus Verão em 21 de dezembro com uma peça por dia, podemos fazer as pesquisas dos mortos e vivos simultaneamente, fazer um primeiro Uroborus verão menos ousado (com menos dias [78? 39?], e começando no meio do verão).

17/10/05 09:51  
Blogger Ronan Jimson said...

Good day uroborus, I want to introduce you a article site:
http://global-in-arm.com
See u soon, uroborus

20/11/06 01:08  

Postar um comentário

<< Home